Vitallis na Mídia: Mulher saudável

Este artigo foi publicado em:

Jaqueline A. S. Xavier - A mulher Saudável


Jaqueline Aparecida Silva Xavier, gerente de gestão emsaúde da Vitallis Sanitas

A mulher moderna trabalha fora de casa, cuida das tarefas domésticas, dos filhos, do marido, dos pais, do cachorro e do gato. A Mulher Maravilha saiu das telas e convive conosco todos os dias de nossas vidas. No entanto, a mulher multitarefa não é uma heroína de filmes de ação. Ela é real, é humana e, por isso, está suscetível a doenças como qualquer outra pessoa. Para evitar problemas de saúde é imprescindível conhecer seu próprio corpo. Neste dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, devemos refletir seriamente sobre a saúde da mulher e como ela pode prevenir doenças ao conhecer seu próprio corpo.

O câncer do colo do útero tem 19 mil casos novos por ano e o câncer de mama, 49 mil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). No primeiro, o uso da camisinha protege contra o vírus HPV, responsável por 90% dos casos. Além disso, a vacinação gratuita para adolescentes sempre é feita em campanhas anuais. E, no câncer de mama, as mulheres com idade de 50 a 60 anos podem realizar a mamografia a cada dois anos. Se elas tiverem ocorrências na família, câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, é possível realizar o exame das mamas anualmente, a partir dos 35 anos de idade.

A mulher que gosta de tomar sol e exibir um bronzeado perfeito também precisa se prevenir. A cada ano, são registrados 59 mil casos novos de câncer de pele, de acordo com o INCA. Para não entrar na estatística, é preciso evitar a exposição direta ao sol das 10h às 16h e usar filtro solar com fator de proteção igual ou superior a 15, reaplicando a cada duas horas. Use e abuse de chapéus e bonés durante este horário, caso seja inevitável não sair ao sol.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as mulheres representam cerca de um quinto dos fumantes do planeta, ou seja, quase 250 milhões de mulheres fumam em todo o mundo. Elas estão entre o público preferido das indústrias de tabaco, afinal, o estresse provocado pela jornada dupla de trabalho, a desigualdade das oportunidades do mercado profissional, a violência doméstica e as pressões estéticas impostas pelos padrões de beleza da sociedade atual, contribuem bastante para o aumento de mulheres no consumo do cigarro.

A obesidade é outro fator de alerta para a população feminina. O excesso de gordura corporal pode trazer inúmeros riscos à saúde. Naturalmente, a mulher já possui uma maior porcentagem de gordura em relação ao homem. Mas fatores como menopausa, distúrbios hormonais e até mesmo a síndrome de ovários policísticos podem agravar o quadro e causar obesidade. Observar alterações na balança é um dever de casa constante. Tanto o sobrepeso como o subpeso devem ser motivos de preocupação. Nestes casos, visitas a médicos especialistas como nutrólogos, é essencial.

A mulher moderna e multitarefas, papel que assumiu ao longo de décadas, vive diariamente sob pressão. Essa característica das “heroínas” tem provocado um aumento de problemas de saúde nesta população feminina. É possível dar conta de todas as funções e ainda ter uma saúde plena? É claro que sim. Acredito que tudo é questão de prioridades e de estabelecer um espaço na agenda para cuidar de si mesma. Reserve um tempo para fazer exercícios, relaxar, ir a médicos e fazer o que gosta. A boa saúde é um dos caminhos para a plenitude da vida.